Mundo Mais

>
  • Latest News

    Tecnologia do Blogger.

    Translate

    quinta-feira, 23 de agosto de 2018

    Prive Contos Eróticos - Piter - O arrombador de cu

    Olá!
    Sou Piter e moro em Mato Grosso, tenho 18 anos e adoro uma balada, porem adoro também e azarar geral, tipo sempre curti uma bela garota, mas nunca deixei de resistir uma fantasia de poder meter minha rola num carinha.
    Sempre tive certo desejo em saber como seria afundar minha rola na bunda de um moleque qualquer, mas de certo modo tinha receio, porem como tudo na vida a gente vai vivendo e curtindo, desde que comi pela primeira vez a bundinha de um rapaz pude notar que fiquei viciado.
    Literalmente é coisa mais gostosa que já experimentei na vida, e desde dia em diante, meter pau no cu era a minha praia, tipo adorava comer os garotos, meter nos machões e ir nas baladas pra pegar geral, mas szempre mantendo a linha comedor machão.

    O fato é que adorava tudo isto, e ao conhecer Junior na casa da minha tia Irene pude notar que ele realmente era uma delicia em forma de pessoa, tinha uma bundinha de deixar o cara louco.
    Junior acará de chegar de viagem do interior de São Paulo pra passar uma temporada aqui no Mato Grosso, tinha pele morena, 18 anos também, corpo malhadinho, mas não ao extremo, olhos e cabelos castanhos e um olhar de garoto que adorava aprontar.
    Logo de cara pequei qual era a moral daquele garoto, pude perceber que muito antes de uma bela bundinha parecia que também curtia era outras coisas. Pouco deixava transparecer, mas sabia que por traz daquilo era uma frutinha gostosa.
    Bom foi logo um encontro pra mim agradável, conversamos sobre tudo e dai ele me contou que tinha namorada e tal, mas tipo, quando foi se levantar pra ir ao toalete pude delirar com aquela bundinha de deixar eu de rola dura na hora.
    Cada jeito de andar dele era um deleite, minha mente e minha rola viajava na postura do cara, mas ele tipo fazia jeito de garoto comedor, mas na moral percebia eu que quem mordia a fronha e com gosto era ele.
    Bom os dias passaram e juntos ficamos bastante colegas, tipo, eu admirava o rabinho dele e ele nem percebia, batia altas punhetas imaginando metendo nele e viajava na imaginação.
    Em uma noite e juntos na minha casa, e sozinhos devidos estávamos se preparando pra uma balada chegou a hora de cada um tomar seu banho, tipo, fui eu primeiro e lá fiquei, deixei Junior vendo TV e de propósito esqueci a toalha, pedi pra Junior trazer, ele então não achou e tive que sair pelado com meu cano de 19 cm dependurado.
    Ao entrar no quarto notei a cara de espanto do muleque, ele ficou sem graça, mas parecia maravilhado com tamanha geba na sua frente. Então meio assustado ele diz:
    - Que porra é esta mano, peladão, com tudo isto ai!!!
    Sorri e logo zoei. Peguei na minha mangueira e chacoalhei para o deleite dele e respondi com todo vigor:
    - Tá a fim de cair de boca?
    E não é que o garoto se emocionou, louco veio em minha direção, pegou com suas mãos na minha rola e começou a degustar de forma delirante.
    Eu quem então fiquei perplexo, pois tipo, jamais achei que ele iria reagir daquela forma, mas era então o mamar de um garoto, que por sinal fazia como nunca uma gulosa ardente.
    Junior lambia minha rola, sentia o gosto do meu cacete sair e entrar na boquinha que ao mesmo tempo tinha seus cabelos massageados pela minha mão.
    Naquele momento, sua boca deliciosa fazia de minha pica um brinca, suas mãos tocavam em minhas coxas, enquanto minhas bolas erram engolidas e degustadas como nunca.
    Junior realmente me surpreendia e me fazia sentir um prazer já sentido antes, mas não com a mesma veracidade, não com a mesma forma gostosa e talvez sentimental que ele passava.
    Então ele subia em direção ao meu peitoral e assim começa a chupar todo meu corpo, enquanto suas mãos caminhavam em direção de meu rosto e ao subir logo sinto o encostar de dois lábios, pois neste momento eu estava sendo beijado gostosamente por aquele garoto.
    Nunca beijei um homem na vida, sempre tive relações sexuais, mas o ato de beijar por certo preconceito jamais, porem era inevitável, era bom sentir a pele macia de aquele garoto encostar e tocar a minha, era bom ouvir, sentir o gemer de um prazer que o fazia me tocar e ser tocado.
    Seus lábios se entregavam ao morder os meus, enquanto meus braços o acariciavam de forma única, ambos já totalmente sem roupa, eu na parede do meu quarto e ele a me beijar me fazia refletir ao mesmo tempo gostar de tudo aquilo.
    Minhas mãos logo ia em direção a sua bundinha desejada e então por momentos tocava e sentia aquele rabinho, aquela bundinha durinha e morena ser toda minha.
    O levei ate a minha cama, e cai por cima dele no ato de beijar, sentia a pele de ele encostar a minha, meus lábios fazer do dele um brinde sexual e sua bundinha um detalhe de um desejo.
    Então estávamos dois homens deitados em uma cama a se desejar e se tocar e sentir, eram algo talvez pra mim novo, devido ver neles o lado sexual anal e não somente o lado emocional, o jeito a pele e os beijos.
    Eu então estava prestes a fazer daquele rabinho algo que muito antes de ser um desejo se tornava uma verdade, então logo naquela cama, o colocou de bunda pra cima e pude observar o quanto era bonita, o quanto era linda e assim meus dedos fazia carinho em movimentos cautelares na entrada de seu cuzinho.
    Meus dedos então navegavam dentro das entranhas anais de Junior que gemia gostosamente ao mesmo tempo em que tinha em beijo calmo o resultado de tudo aquilo.
    Ele gemia, e eu o acariciava em seu corpo um beijar de carinho, em sua nuca um cheirar de prazer e em sua orelha um morder gostoso de outro macho, assim estava eu possuído pelo corpo de outro garoto.
    Não pude resistir e logo o segurei e o beijei novamente, pois havia gostado daquela sensação, havia gostado de tocar ao seus lábios ao meu, e então novamente com minha pica entre seu corpo o beijar e o tocar de dois corpos se tornava um apenas em cenas anais e sexuais de dois menino, de dois garotos.
    A vontade da relação sexual estava me fazendo sentir tanto prazer que via minha rola dura ao extremo e já saindo uma porra lenta, e assim com isto então comecei a beijar loucamente enquanto direcionava minha pica em direção de seu cuzinho a ser arrombado.
    Minha rola estava na entrada de seu cu. Ele gemia e então sentia cada centímetro afundar dentro de seu anelzinho, sentia o acariciar de meus gestos ao mesmo tempo em que o sexo, o meter se tornava o fundir de um amor entre dois homens.
    Junior sentia o entrar de uma rola grossa e grande, sentia o afundar de prazer, e o tocar de dois corpos em beijos na nuca e ao causar sexualmente um deleite de ambos, que naquele momento já estava começando o vai e vem do prazer.
    Ele gemia, se sentia realizado e eu começava ali consumir o desejo de comer aquele cu tão desejado, era realmente apertadinho, gostoso e prazeroso ver e sentir o quanto um cuzinho me fazia deleitar de prazer.
    Era uma delicia sentir minha rola navegar em suas entranhas, aquele rabinho e seu gemer, pois assim, Junior gemia loucamente e sentia o quanto ter uma rola dentro de seu cu era bom.
    Era gostoso sentir e ter o beijar, sentir o corpo e o tocar de duas peles em uma transa gostosa e prazerosa.
    Peguei-o de quatro, metia com força, segurava em suas ancas e minha rola ia ate as bolas, onde gostosamente gemendo de prazer ele me acariciava com suas mãos pra traz.
    Logo ele sentia, de ladinho também, minha rola o fazer delirar era estranho, mas eu também sentia um sentimento muito alem do prazer, muito alem daquela transa, pois a beleza e o jeito dele me faziam transparecer em transar de amor.
    Seu olhar meigo, meu meter delirante, em uma rola que estava muito alem de um vai e vem, e sim um gozar e gemer de prazer para ambos.
    Junior e sua boca carnuda, seu corpo lindo, seu rabinho quentinho por dentro que agora não era somente fudido e sim dedado ao mesmo tempo.
    O prazer era tanto, que mandei ele ficar de quatro, meti meus 4 dedos nas suas entranhas, ele gemia e rebolava, sentia o navegar de meus dedos adentro enquanto uma vontade louca de fazer algo diferente me fez agir.
    Então estava eu, chupando o cuzinho de Junior, algo que nunca fiz antes, porem o prazer era tanto eu meu corpo e meu desejo pedia, estava eu degustando com a língua aquele rabo todo aberto ao prazer.
    O via delirar ao sentir dedadas e chupadas entranhas adentro, e eu gostava de tudo aquilo, curtia o mamar diferente em um cuzinho, pois minha língua viajava no cu dele adentro.
    Ele segurava na cama de quatro e não resistia em gemidos de prazer ainda mais algo, logo então eu batia uma delirante punheta enquanto mamava no cu dele, e logo o fiz novamente sentir o meter de um pau no seu cu.
    Então rapidamente fiz movimentos rápidos e logo sentia o gozar no cu dele adentro, estava eu gozando delirantemente e tento uma sensação nunca sentida.
    Junior gostava e delirava com beijos que agora eram brindes depois de ter seu cuzinho inundado de porra quente, de um macho ardente.
    Eu e ele caímos naquela cama e ficamos se tocando, se beijando e então, mesmo com a rola toda suja de porra ele ainda quis limpar toda ela com sua boquinha carnuda, e então assim o fez.
    Mamou gostoso, chupou todinha minha pica e a limpou direitinho,.e assim, nossa transa não foi a única, pois depois desta seu cuzinho foi arrombado e abusado por muitas vezes.
    #FIM

    Autor: Danyel
    escritordanyel@hotmail.com
    Acesse e leia mais ;
    www.casadoescritor.blogspot.comMundo Mais   
    • Blogger Comments
    • Facebook Comments

    0 comentários:

    Postar um comentário

    Item Reviewed: Prive Contos Eróticos - Piter - O arrombador de cu Rating: 5 Reviewed By: Renan dos Reis
    Scroll to Top